Em 18 de abril de 2017, o Movimento Espírita celebra os 160 anos de publicação de O Livro dos Espíritos.

O livro foi o primeiro codificado por Allan Kardec, em 1857, sendo ele de perguntas e respostas. São 1019 perguntas que os Espíritos Superiores e responsáveis pela codificação responderam ao missionário de Lyon.

A maneira pela qual o livro fora escrito era também inteiramente nova. O Prof. Rivail fizera as perguntas que eram respondidas pelos Espíritos, sob a direção do Espírito de Verdade, através das cestinhas-de-bico. Psicografia indireta. Os médiuns, duas meninas, Caroline Baudin, de 16 anos, e Julie Baudin, de 14, colocavam as mãos nas bordas da cesta e o lápis (o bico) escrevia numa lousa. Pelo mesmo processo, o livro foi revisado pelo Espírito de Verdade, através de outra menina, a Srtª Japhet. Outros médiuns foram posteriormente consultados e Kardec informa, em Obras Póstumas: “Foi dessa maneira que mais de dez médiuns prestaram concurso a esse trabalho”.

Este livro é, portanto, o resultado de um trabalho coletivo e conjugado entre o Céu e a Terra. O Prof. Rivail não o publicou com o seu nome ilustre de pedagogo e cientista, mas com o nome obscuro de Allan Kardec, que havia tido entre os druidas, na encarnação em que se preparava ativamente para a missão espírita. O nome obscuro suplantou o nome ilustre, pois representava, na Terra, a Falange do Consolador. Esta falange se constituía dos Espíritos Reveladores, sob a orientação do Espírito de Verdade e dos pioneiros encarnados, com Allan Kardec à frente.

A 16 de março de 1860, foi publicada a segunda edição deste livro (abaixo), inteiramente revisto, reestruturado e aumentado por Kardec, sob orientação do Espírito de Verdade, que, desde a elaboração da primeira edição, já o avisara de que nem tudo podia ser feito naquela. Assim, a primeira edição foi o primeiro impacto da Doutrina Espírita no mundo, preparando ambiente para a segunda que a completaria. Toda a Doutrina está contida neste livro, de forma sintética, e foi posteriormente desenvolvida nos demais volumes da Codificação.

 

Kardec estruturou o livro em 4 partes:

1ª – Das Causas Primárias.

2ª – Do Mundo Espírita ou Mundo dos Espíritos.

3ª – Das Leis Morais.

4ª – Das Esperanças e Consolações.

Cada parte serviu de base para a elaboração das demais obras (Livro dos Médiuns – 1861, O Evangelho Segundo o Espiritismo – 1864, O Céu e o Inferno – 1865 e A Gênese – 1868), que somadas ao Livro dos Espíritos, formam o Pentateuco Espírita.

Vale mencionar que após a publicação de O Livro dos Espíritos, Kardec realizou várias viagens com a finalidade de divulgar a doutrina espírita. Essas viagens estão documentadas na obra “Viagem Espírita em 1862”, a qual recomendo a leitura.

Portanto, nós Espíritas precisamos ainda nos aprofundar nesta obra basilar que é O Livro dos Espíritos, no sentido de compreendermos o ensinamento trazido a cada pergunta e resposta e realizarmos uma reflexão, avaliando de que forma podemos aplicar este ensinamento na nossa vida.

Que os 160 anos de O Livros dos Espíritas sejam marcados para que nós possamos estudar e praticar esta linda obra trazida pelos Espíritos à Allan Kardec.

Bons estudos e até a próxima matéria!

(por Ricardo Gembarowski)